top of page

Qual o tratamento para quem tem lúpus?

Lúpus é a manifestação de uma doença autoimune, ou seja, aquela em que o sistema imunológico ataca o próprio organismo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o lúpus acomete mais mulheres do que homens e mais adultos jovens, em relação aos idosos e crianças. Diz respeito a uma doença crônica, em que seus cuidados exigem continuidade de tratamento e monitorização da atividade e progressão da doença.

Geralmente, sua manifestação é na pele, por isso, pode ser chamada de Lúpus Erimatoso Sistêmico (LES), embora também possa atacar órgãos internos.

Neste artigo, apresentamos mais detalhes sobre a doença.

Como o lúpus pode se manifestar?

Por ser uma doença autoimune, o lúpus agride o sistema imunológico e desorganiza a produção de anticorpos e os respectivos mecanismos de defesa do organismo. Assim, é possível que o lúpus se manifeste de duas maneiras distintas:

  1. lúpus cutâneo: quando acomete a pele principalmente, levando à manifestação de manchas avermelhadas ou eritematosas, especialmente em áreas que ficam expostas à luz solar, como a face, braços, orelhas e colo;

  2. lúpus sistêmico: quando a doença acomete um ou mais órgãos internos, como  como articulações, coração, rim, cérebro e pulmão.

Por conta disso, existem vários sintomas que vão variando de acordo com a fase da doença.

Quais são os sintomas do lúpus?

Para diagnosticar a presença de lúpus, é importante realizar um conjunto de exames clínicos e laboratoriais, com o acompanhamento de um especialista. É fundamental que o conjunto de manifestações sejam considerados para o diagnóstico e não apenas sintomas isolados.

Dessa forma, os sintomas averiguados serão avaliados de acordo com o tipo de lúpus, assim como a fase de atividade da doença. É importante orientar que os sintomas podem aparecer simultaneamente ou de maneira sequencial. São eles:

  1. sensibilidade ao sol nas áreas mais expostas;

  2. manchas avermelhadas que descamam facilmente;

  3. queda de cabelo;

  4. emagrecimento;

  5. perda de apetite;

  6. febre;

  7. cansaço;

  8. desânimo;

  9. inflamações na pele, articulações, nervos, rins, cérebro, membrana que recobre o pulmão (pleura) e membrana que recobre o coração (pericárdio);

  10. manifestações nos olhos;

  11. aumento do fígado, baço e gânglios podem surgir na fase mais ativa da doença;

  12. lesões na pele, principalmente as avermelhadas nas maçãs do rosto e dorso do nariz;

  13. diminuição das células do sangue (leucócitos, hemácias, linfócitos e plaquetas);

  14. convulsões;

  15. trombose.

Fique atento aos sintomas da doença, pois quanto antes você tiver um diagnóstico, melhores são as chances do tratamento funcionar para ter uma vida normal.

Como tratar o lúpus?

Para tratar o lúpus, será importante que o especialista verifique a manifestação relatada pelo paciente, além de considerar o tipo de lúpus em questão.

Dessa maneira, o tratamento irá priorizar o controle da atividade da doença, buscando amenizar os efeitos colaterais dos medicamentos, no intuito de trazer bem-estar aos portadores da doença. Ainda assim, algumas medidas podem ser necessárias no tratamento da doença, tais como:

  1. uso de medicamentos que diminuam a inflamação no organismo para os órgãos internos afetados;

  2. uso medicamentoso de cremes e injeções locais que diminuem a inflamação cutânea;

  3. Protetor solar para as lesões de pele;

  4. para casos em que a doença atingiu os pulmões, rins e cérebro, será necessário o uso de medicamentos imunossupressores, que muitas vezes, requerem infusões venosas ou internação hospitalar;

  5. acompanhamento de uma equipe multidisciplinar com neurologistas, nefrologistas, pneumologistas, reumatologistas, dermatologistas e psicólogos será de suma importância.

Por isso, é fundamental que o tratamento seja completamente individualizado e específico para cada caso. Assim, é indispensável considerar um acompanhamento eficaz por uma clínica de confiança e que proporcione uma aproximação com o paciente, além da eficiência do tratamento.

A importância de uma equipe multidisciplinar

É essencial frisar essa etapa como parte primordial no diagnóstico, tratamento e controle do lúpus. Uma equipe multidisciplinar é formada por um conjunto de profissionais que tem como único objetivo a melhora do paciente.

Os benefícios são muitos, afinal, quando colocamos mais pessoas para resolver um problema, maiores são as chances de encontrar uma solução. A troca de informação é mais rápida o que facilita as decisões, além de ser algo bem organizado e com feedbacks mais positivos.

Dicas para os pacientes com lúpus

Portadores de lúpus precisam sempre estar mais atentos aos cuidados com a saúde, a fim de não trazer complicações mais graves, por isso, separamos algumas dicas e cuidados para o cuidado com a saúde. Confira:

  1. descanse bastante;

  2. evite se expor ao sol e se precisar, use protetor solar;

  3. pratique atividades físicas regularmente;

  4. não fume;

  5. evite consumir bebidas alcoólicas;

  6. mantenha sua alimentação saudável. Ter uma dieta balanceada é essencial.

Todo o cuidado é pouco quando falarmos sobre lúpus, afinal, não existe uma forma de se prevenir dessa doença.

Quer conhecer mais sobre o assunto? Siga-nos no Facebook Instagram e fique por dentro dos conteúdos informativos que publicamos! Tem alguma outra dúvida? Entre em contato com a equipe da Soma pelo telefone (48) 3223–6072.

70 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page